Se essa rota fosse minha

Mercearia Paraopeba

29/03/2016

Um armazém à moda antiga onde se vendem fubá de moinho d'água, sabão de cinza enrolado na palha de bananeira, azeite de mamona para lubrificar sinos, berrante e penico. Com 24 metros quadrados lotados de produtos caoticamente dispostos em prateleiras e varais, a Mercearia Paraopeba é parada obrigatória para quem passa por Itabirito. Quando se entra na pequena venda - que só aceita dinheiro, ainda vende fiado e pratica o escambo - a sensação é de ser transportado em um túnel do tempo. "Ninguém sai daqui sem um dedinho de prosa", diz o simpático dono Roney de Almeida, o Roninho. Representante da quarta geração de comerciantes à frente do negócio, ele emenda: "Chamar o freguês pelo nome e perguntar pela família é o nosso costume. E assim levamos a vida bem devagar."

Em uma caderneta encardida, ele guarda uma anotação feita pelo bisavô em 1895. É o único registro histórico da fundação da mercearia, cujo nome remonta à época em que as mercadorias eram compradas em vilarejos à margem do Rio Paraopeba.

Outros pontos de Itabirito que merecem visita são a Estação Ferroviária, inaugurada em 1887, e que hoje abriga uma biblioteca e um centro de artesanato com comidas típicas; e o Parque Ecológico Municipal, com pistas de caminhadas e praça de esportes em uma área de 45 mil metros quadrados.

 

 


Ver todas publicações